Nissan Kicks 1.6 S Flex MT 2018

Por Derek Simoto – Fotos: Divulgação e Derek Simoto

O Kicks chegou por aqui em agosto de 2016 com apenas a versão SL (topo de linha) importada do México. O modelo, que teve sua maior divulgação durante os jogos olímpicos do Rio, impressionou bastante o público e alcançou bons números de venda em pouco tempo. Quase um ano depois, a Nissan começou a fabricar o Kicks aqui Rio de Janeiro para então abrir o leque de versões e conquistar a uma maior fatia em no segmento que mais cresce no país, dos Crossovers ou SUVs compactos se você preferir assim dizer.

A versão S, a mais barata oferecida, parte de R$70.500,00 na versão manual testada e chega até 79.200,00 com câmbio CVT. Valores que tem um posicionamento estratégico porque atendem também a demanda de portadores de deficiência física, PCD, que conseguem um desconto de até 25% no valor de automóveis até 70 mil reais.

Porém para alcançar esse preço, a Nissan, assim como todas as montadoras que brigam por esse mercado, teve que cortar a maioria dos itens que foram responsáveis pelo sucesso do modelo, o que deixa a versão S com cara de “carro popular básico”.

DESIGN ATRAENTE

Muito atraente e com o design moderno, são poucos detalhes que identificam a versão S por fora: maçanetas e retrovisores pintados da cor do veículo, rodas de ferro aro 16 cobertas por calotas e a ausência de farol de neblina. O teto pintado em duas cores, grande destaque do sucesso do Kicks, não está disponível para essa versão.

Internamente o Kicks chama atenção pelo bom espaço para seus passageiros, um dos maiores da categoria. Sua posição de dirigir é muito agradável, graças também aos bancos “Zero Gravity” e o espaço para as pernas nos bancos traseiros é suficiente para encarar uma longa viagem. Mas a falta de equipamento e requintes básicos, não empolga muito que anda no Kicks.

O acabamento interno e das portas é feito em plástico duro. O centro do painel, onde em outras versões é coberto com couro, aqui aparece com uma textura de plástico que imita fibra de carbono, solução interessante adotada pela Nissan. O volante, também sem revestimento, apresenta apenas de um lado botões de controle do som, que chama atenção pelo bonito visual em black piano, mas tem funções básicas como: rádio, Bluetooth para celulares e USB.

EQUIPAMENTOS DEIXAM A DESEJAR

A lista de equipamentos internos deixa a desejar. De série o carro vem com o básico: trio elétrico (vidros, travas e espelhos), ar condicionado manual, direção elétrica, computador de bordo (apenas com dados de consumo), aparelho de som com 4 auto falantes e nada mais. Faltam itens que são comuns em carros de médio porte como: luzes de cortesia no banco traseiro e nos espelhos do para-sol, sensor de ré, setas nos retrovisores, indicador de temperatura externa, entre outros. Durante a noite, por exemplo, faltam luzes nos comandos que ficam na porta do motorista, sendo necessário acender a luz interna para achar o botão que destrava, ou trava, as portas do veículo.

O conjunto mecânico composto pelo motor 1.6 16V com 114 cavalos e 15,5 mkgf de torque é o mesmo de todas outras versões do Kicks. O câmbio manual, exclusivo desta versão S, tem um escalonamento mais curto e deixa o carro com um comportamento bem ágil e agradável nas situações do dia a dia, mas pode incomodar um pouco na estrada, quando a 120 km/h o carro fica acima dos 3.500 giros em 5 marcha. Ainda assim, o Kicks apresenta um dos conjuntos mecânicos mais bem acertado da categoria.

Segundo a montadora, a versão com câmbio manual é a mais econômicas entre os crossovers. Durante nossa semana de testes, o consumo no etanol ficou em 7,3 km/l na cidade e 8,8 km/l na estrada.

BEM SEGURO

No quesito segurança, o Kicks S vem de fábrica com 2 airbags frontais e freios ABS dianteiros à disco e traseiro à tambor. O pacote opcional Safety pode ser adquirido por R$1.200,00 e completa a lista com controle de estabilidade e de tração e o assistente de partidas em rampas.

O Kicks S se apresenta como uma boa opção de entrada para os SUVs, principalmente para quem se encaixa no desconto de portadores de deficiência física, que consegue comprar essa versão por cerca de R$54mil reais. Já para o consumidor regular, o kicks agrada pelo atraente design e espaço interno, mas tem uma grande deficiência no conteúdo e equipamentos.