Avaliação – Citroën C3 Picasso GLX 1.5 8V Flex MT 2013

Fotos: Marcus Lauria

A linha 2013 do C3 Picasso não trouxe muitas mudanças para o SUV francês. A marca resolveu mexer no motor e em alguns detalhes de acabamento. A novidade mesmo fica por conta da introdução do mesmo motor utilizado no C3, o 1.5 8V Flex. Foi exatamente esse modelo que foi cedido pela Citroën por uma semana para ser avaliado pelo site.

Por fora o modelo revela algumas alterações estéticas, como a nova roda, a mesma usada pelo novo C3 topo de linha, que ficou melhor no C3 Picasso. Na parte interna o C3 Picasso 2013 o painel passa a ter aplicação de tungstênio, e o quadro de instrumentos ganha fundo branco para a versão topo de linha. Na versão avaliada GLX e na de entrada GL, predomina a aplicação de plástico nas laterais das portas e no console central. Ambas passam a oferecer airbag duplo e freios ABS de série.

Ainda por dentro, é possível notar que apesar do acabamento ser de boa qualidade, os plásticos são muito aparentes e dão aquela sensação de carro de entrada, com pouco esmero. Porém é notada a ausência de rebarbas e desleixo na construção do interior. A posição de dirigir incomoda um pouco, o volante mal posicionado transmite a sensação de estar dirigindo uma Kombi, e o espaço do painel e o pára-brisa deixa um vazio que atrapalha nas manobras e na hora de estacionar o modelo. Os bancos são confortáveis e volante com ótima empunhadura. Para quem vai atrás, sobra espaço para as pernas e cabem tranquilamente cinco passageiros sem aperto. O porta-malas de 300 litros é insuficiente para todos, apesar de ser um SUV, que deveria prezar por um espaço maior nessa área.

A versão intermediária GLX que nós avaliamos, trazia itens de série como rodas de liga leve com pneus 195/55 R16, maçanetas externas das portas prata ou na cor do veículo, retrovisores exteriores na cor da carroceria, vidro dianteiro para motorista com acionamento um toque e antiesmagamento, vidros traseiros elétricos, faróis de neblina dianteiros, regulagem de altura do banco do motorista, CD player com comando no volante, MP3 e entrada para iPod, mesas “tipo aviação” para os bancos traseiros, indicador de temperatura externa no rádio, travamento elétrico para vidros traseiros no painel, entre outros. O modelo custa a partir de R$ 48.500.

Sob o capô está o motor 1.5 8V Flex de 89 cv a 93 cv de potência. O propulsor é suficiente para empurrar o SUV francês, principalmente nas retas, já nas subidas mais íngremes o carro sofre um pouco para carregar os 1081 kg. Em termos de consumo, a média na cidade foi de 6,2 km/l com álcool, de acordo com o computador de bordo instalado no painel. O C3 Picasso até que se comportou bem nas curvas mantendo sempre a trajetória, a suspensão é macia e não transmite as irregularidades do asfalto lunar de nossas ruas para a cabine. Resumindo, apesar de ser um modelo da marca Citroën, que é conhecida pelo consumidor de automóveis como uma marca que fica devendo no pós-venda e no atendimento precário das concessionárias, atende muito bem o público que pretende atingir, com soluções inteligentes e muita tecnologia.

CONTINUA NA PÁGINA 2