Avaliação – Citroën DS5 1.6 16V 2013

Fotos: Marcus Lauria

O Citroën DS5 é um carro que chama muita a atenção por onde passa, suas linhas fluidas e futurísticas dão o tom ao modelo, que é uma espécie de um hatch espichado com formas de crossover. Lançado em 2012 na França, o modelo desembarcou no Brasil esse ano. A linha DS é considerada a mais luxuosa da Citroën, com modelos que tem um acabamento mais caprichado e linhas diferenciadas do resto da família. O DS5 chega para fazer companhia ao hatch compacto DS3 e ao hatch médio DS4.

O DS5 usa a plataforma 2 do Grupo PSA, a mesma usada no C4, DS4 e C4 Picasso. O modelo exibe linhas ousadas e atraentes aos olhos. Os faróis enormes chamam a atenção, com sua forma fluída, que faz conjunto com os para-choques envolventes e estilizados, além de muitos cromados e vincos aparentes por toda a carroceria. Destaca para a altura do solo e o vidro traseiro arredondado, tudo pensando na melhora do arrasto aerodinâmico. Com uma altura baixa em relação ao solo, o modelo tem ares esportivos e uma largura que condiz com seu tamanho, tudo para melhorar a sua estabilidade e dirigibilidade.

Por dentro, linhas futurísticas e que lembram um cockpit de um avião de última geração chama a atenção logo ao entrar no modelo, os detalhes e os comandos estão o todos a mão, formando uma ergonomia invejável. Luxuosa a cabine revela o cuidado na montagem das peças e nos revestimentos, que priorizam a qualidade de encaixes e formas diferenciadas. São bancos de couro que lembram poltronas de avião, com costura dupla do tipo que só encontramos em modelos de marcas premium. Detalhes cromados que envolvem botões, saídas de ar entre outros.

Ainda na parte interna, existe um console montado no teto, com vários comandos, entre eles os botões para abrir o teto de vridro fixo em quatro partes. No painel, inclusive destacam-se os acabamentos em couro acima dos instrumentos e o plástico que imita metal escovado ou fibra de carbono em algumas áreas. Entre os bancos dianteiros existe um grande espaço fechado que é possível até guardar um laptop. Para quem vai atrás, sobra espaço, e os passageiros ainda podem desfrutar das saídas de ventilação exclusivas. O conforto a borda ainda é reforçado pela equilibrada suspensão McPherson na frente e eixo de torção atrás. Seu porta-malas é de 468 litros.

É fácil dirigir o DS5, sua posição é bem vertical, o volante tem ângulo de 21 graus, pois a coluna é dividida em três segmentos, em vez de dois. Assim como manobrar se torna uma tarefa simples, o DS5 oferece sistema eletro-hidráulico de direção, que é muito suave e leve. Para segurar tanto peso, o carro conta com discos ventilados na frente e sólidos atrás, tudo pela segurança.

Bem completo, o DS5 trás de série bancos com ajustes elétricos (sendo que o do motorista ainda inclui um massageador para a região lombar), ar dual zone, central multimídia com Bluetooth e GPS, cruise control, head-up display, faróis bixenon e luzes diurnas de led, controles de estabilidade e tração, seis airbags entre outros mais comuns.

Sob o capô, está o já conhecido motor 1.6 THP oferecido pela PSA Peugeot Citroën e em modelos da Mini. Gerando exatos 165 cv a 6 mil rpm e torque de 24,5 kgfm a 1.400 giros, o motor é auxiliado pelo turbo e a injeção direta de gasolina. Em conjunto está o excelente câmbio de seis marchas. Com essa fórmula, o DS5 faz de 0 a 100 km/h em 8,9 segundos, chegando a alcançar 211 km/h de velocidade máxima. Seu consumo foi razoável, fez 8,6 km/l na cidade e 12,2 km/l na estrada. A marca afirma que além dos concorrentes tradicionais o DS5 chega para brigar com Audi, BMW e Mercedes-Benz, baseado no seu preço de R$ 124.900.

CONTINUA NA PÁGINA 2