Avaliação – Honda City DX AT 2011

Fotos: Marcus Lauria

Lançado em setembro de 2010, a versão mais simples do Honda City, a DX, foi criada para ser um pouco mais barata e acessível, para isso, a marca japonesa retirou o sistema de som e o porta-objetos sob o assento traseiro, deixando o interior mais simples. Com um uma diferença de R$ 3.800 inferior ao da versão LX com câmbio manual, até então a mais barata da linha, o modelo vaio para brigar diretamente com o seu maior rival, o Fiesta Sedan SE, lançado em agosto de 2010.

O Honda City DX é mais “pobrinho” em relação ao LX, mas nem tanto assim. Não se engane o modelo continua oferecendo ar-condicionado, direção com assistência elétrica, rodas de liga-leve de 15 polegadas, duplo air bag, vidros, travas e retrovisores elétricos como itens de série, enfim, um sedan Premium bem completo e equipado.

Por dentro, motorista e passageiro não se sentem apertados, há espaço de sobra para as pernas, atrás cabem facilmente três adultos sem muito sofrimento, a cabeça não raspa no teto, mesmo para quem tem 1,80 metros de altura. Os bancos são macios e não cansam em viagens mais longas. O City DX possui um bom isolamento acústico, porém, o modelo avaliado sofria com um barulho que vinha dos retrovisores, uma espécie de “grilo”, como se alguma coisa estivesse solta, mas nada que incomodasse no dia-a-dia.

CONTINUA NA PÁGINA 2