Avaliação – Land Rover Freelander 2 2.0 Si4 SE gasolina 2013

Fotos: Marcus Lauria

Apesar de ter sido lançado em abril do ano passado, o Freelander 2 2013 renovado continua sendo uma novidade em nossas ruas. O SUV inglês, que agora pertence a indiana Tata, recebeu algumas mudanças estéticas e mecânicas. Entre as novidades, está o novo motor a gasolina, o mesmo usado pelo Evoque, seu “irmão” mais novo e o interior revisto.

Nos foi cedido para teste a versão movida a gasolina por apenas cinco dias. Como o teste foi realizado durante a semana, quando o ideal seria avaliar o modelo em um final de semana, para colocar o SUV na estrada, local que ele deve se comportar muito bem, assim como em estradas de terra ou trilhas mais difíceis para avaliar seu comportamento dinâmico.

Por fora, a versão 2013 se diferencia da anterior a primeira vista pelo novo conjunto óptico, com novos faróis dianteiro e lanternas traseiras com LED, enquanto que as luzes diurnas usam a mesma tecnologia. Observando com mais cautela, nota-se logo os novos faróis de neblina, que receberam acabamento brilhante e novo desenho. A grade frontal recebeu um novo acabamento em preto e o visual mais esportivo se reflete ainda mais nos novos desenhos das rodas, que podem ser de 17” a 19”, que no caso do modelo avaliado, eram as de 17 polegadas. O modelo também ganhou três novas cores para a carroceria: Verde Antree, Azul Mauritius e Preto Havana.

Por dentro o visual ficou mais sofisticado e os instrumentos do painel foram redesenhados, assim como os acabamentos das portas, que estão mais requintados. O uso abusivo de couro e materiais com a mesma qualidade são presença marcante no habitáculo do SUV inglês. A vida a bordo é ainda mais aconchegante com os bancos confortáveis e o espaço interno que deixa todos os ocupantes á vontade.

Ainda por dentro, destaca-se a tela de 5 polegadas, colocada entre o velocímetro e o conta-giros de fácil leitura. Lá estão os indicadores de temperatura, nível de combustível, marcha selecionada quando em modo sequencial, e a função do modo Terrain Response selecionada no momento (aquela que adapta o carro para enfrentar diversos tipo de terreno). E tudo pode ser controlado por meio do controle no volante.

Muito mais fácil de utilizar, agora o sistema Terrain Response pode ser acionado por botões em linha, em substituição ao botão giratório presente na versão anterior. Assim como o freio de mão tradicional, que foi substituído por um eletrônico. Desta forma o espaço no console central foi optimizado, aumentando o conforto entre passageiro e motorista.

A maior mudança se concentra no interior, por isso tantas novidades são citadas. Outra que chama a atenção é o painel central, com tela de 7 polegadas sensível ao toque. Através dele é possível interagir com o rádio, o GPS — neste caso, as indicações também aparecem na tela do painel de instrumentos —, ao engatar marcha à ré é possível conferir as imagens da parte (o sistema exibe linhas que ressaltam os limites do modelo e a direção do movimento), entre outras várias funções. Além de novo volante e nova chave.

O SUV Inglês chega equipado com o renomado som da marca Meridian, de alta qualidade, , em duas opções: 380W com 11 altofalantes ou 825W com 17 alto-falantes e apenas 0,02% de distorção. Ambas são equipadas com subwoofers para melhorar a qualidade de frequências graves. Através do som o condutor consegue ainda acessar o iPod e entradas USB, além de reproduzir CD/DVD de áudio  e streaming de áudio via Bluetooth, que permite reproduções de  músicas pelos seus telefones celulares ou por componentes com a mesma tecnologia. O sistema traz ainda memória interna para até 10 CDs.

Pensando na segurança dos ocupantes, o novo Freelander 2 traz de série freios ABS, controle eletrônico de tração ETC, sistema eletrônico de distribuição de frenagem EBD, controle de frenagens em curvas CBC, assistente de frenagem de emergência EBA, controle dinâmico de estabilidade DSC e 7 airbags. Nada mal para uma versão de entrada. O modelo vem equipado com a tecnologia Inteligent Power System Management (IPSM), que proporciona o carregamento inteligente da bateria que alimenta o sistema elétrico. Ele é feito com o armazenamento da energia cinética gerada enquanto o veículo está em processo de desaceleração. O sistema dispensa o combustível necessário para manter o sistema de carregamento da bateria em funcionamento.

Para maior comodidade do motorista, o freio de estacionamento é acionado automaticamente quando o modo Parking (P) é selecionado. Ao se colocar o veículo em modo Drive, o sistema é desligado ao primeiro leve toque no acelerador. O modelo conta com o Gradient Release, tecnologia que permite arranques suaves tanto em aclives quando em declives, garantindo máxima segurança em qualquer tipo de superficie.

Em relação a versão Dynamic (mais completa), a SE não possui body kit esportivo, ponteiras de escapamento esportivas, rodas de 19” com acabamento cinza e o pacote, teto solar panorâmico com abertura elétrica. Os bancos da versão avaliada tem desenho exclusivo na cor preta. Já a versão Dynamic, ainda mais requintada, oferece a opção de duas tonalidades, em três opções de cores: preto com cinza, preto com vermelho ou preto com marfim. Todas elas são acompanhadas por um acabamento interno nas portas e painel que combinam perfeitamente.

A mudança mecânica está na nova opção de motor a gasolina, o 2.0 turbo de 240 cv de potência e 34,6 kgfm de torque que equipa o desejado Evoque. O propulsor usa injeção direta de combustível e comando de válvulas duplo variável, que ajudam a proporcionar o torque de 340 Nm a apenas 1.750 rpm ideal para situações que requerem agilidade no trânsito das grandes cidades, ou para superar os mais desafiadores obstáculos fora de estrada. Em conjunto está a transmissão automática de seis velocidades, que proporcionam trocas rápidas, além de ter uma relação de marchas que ajudam no desempenho e, ao mesmo tempo, na otimização do consumo de combustível. Durante nosso curto teste, o Freelander 2 fez uma média de 5,5 Km/l no uso urbano, sempre com o ar-condicionado ligado.

A versão movida a gasolina é oferecida em quatro opções de acabamento, no caso da versão avaliasda a SE, o preço é de R$ 175.500. Ainda existem a de entrada S por R$ 161.900, a Dynamic por R$ 186.500 e a topo de linha HSE por R$ 209.900. O modelo recebeu 5 estrelas no índice Euro NCAP, um dos mais respeitados programas de testes que medem os níveis de segurança proporcionado aos passageiros de veículos em diversas categorias.

CONTINUA NA PÁGINA 2