Confira dicas de como utilizar corretamente o sistema de iluminação do veículo

As luzes do automóvel têm papel fundamental para a segurança de todos que convivem no trânsito; servem tanto para sinalizar quanto para contribuir com a visibilidade dos condutores. Para esclarecer o uso correto do sistema de iluminação do veículo, a Lumileds, líder na fabricação de lâmpadas automotivas Philips, informa quando e em quais situações cada equipamento deve ser acionado.

De acordo com Juliana Gubel, gerente de Marketing da Lumileds para América Latina, “o uso correto do sistema de iluminação eleva a segurança e alguns equipamentos são obrigatórios por lei em determinadas situações, a exemplo da farol baixo durante o dia nas estradas”. Não acionar o farol baixo nas estradas do País durante o dia pode acarretar em multa de R$ 130,16, além de acumular quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Confira:

Farol baixo
O motorista deve acionar o farol baixo durante o dia nas estradas e o sistema deve ser acionado quando se trafega em períodos noturnos. O farol baixo serve para iluminar a via à frente nos pontos corretos estratégicos para não ofuscar a visão de quem trafega no sentido contrário.

Farol alto
Sistema possibilita ao condutor a enxergar com mais eficiência a distância. O uso do farol alto só é permitido em vias sem iluminação, sendo que o motorista não deve acionar este sistema quando estiver atrás de um outro veículo ou ainda cruzar com ele para não causar ofuscamento.

DRL
Presente principalmente nos automóveis mais novos, a luz de rodagem diurna (Daytime Running Lights) acende automaticamente quando a ignição do veículo é acionada. Tem a função de deixar o automóvel mais visível durante o dia e elimina a necessidade do farol baixo nas estradas quando o veículo conta com esse equipamento. Ao iluminar para cima, o DRL traz diferença na projeção da luz em comparação com o farol baixo, desenvolvido para iluminar a via. O DRL também traz apelo de design.

Luz de posição
Conhecida também como lanterna frontal, a luz de posição não deve ser usada para iluminar a via e tem como finalidade sinalizar a presença do veículo para outros motoristas e pedestres. Deve ser acionada em situações como uma breve parada no período noturno para embarque e desembarque e em estacionamentos para o motorista realizar a movimentação do carro.

Para as aplicações mencionadas, o consumidor encontra lâmpadas halógenas e em LED da marca Philips que trazem benefícios como segurança, estilo e/ou durabilidade.

Disponível para faróis alto e baixo, a lâmpada halógena Philips X-tremeVision foi projetada para aumentar a luminosidade e, consequentemente a visão periférica do motorista, sem ofuscar a visão de quem trafega no sentido contrário, pois há grande intensidade de iluminação nos pontos onde a lei permite, ou seja, na linha de corte do farol. A Philips X-tremeVision projeta 130% mais luz. O tempo de vida útil da lâmpada, de 450 horas, é também significativamente maior que as concorrentes do segmento.

O condutor também tem a opção de substituir a tecnologia da lâmpada pela LED Philips, disponível para os faróis principais nos formatos H4 e H7, atendendo 80% da frota nacional. A lâmpada LED Philips entrega o máximo de luminosidade: 160% mais se comparada com as lâmpadas convencionais. A luz branca, com temperatura de cor de 6.200 K, dá ao carro uma aparência moderna e visual futurista, mais branca que os faróis de xênon. A durabilidade é de até 8 anos com baixíssimo consumo de energia.

No próximo conteúdo, a Lumileds dá continuidade ao serviço e revela quando e como utilizar o farol de milha, de neblina, a luz de neblina traseira, o pisca alerta e as luzes de direção (também conhecidas como setas).

Fonte: Textofinal de Comunicação Integrada – [email protected]