Avaliação – Peugeot 408 2.0 Allure 16v Flex 4p Automático 2014

Fotos: Marcus Lauria

Ele é bonito, tem linhas modernas e seu interior é de qualidade. O Peugeot 408 é um sedan médio que tem cacife para enfrentar modelos que estão entre os primeiros do ranking, mas nunca consegue chegar lá, o que estaria dificultando para que aconteça o mais esperado. Pois bem, a resposta ainda está na grande desvalorização do modelo diante dos concorrentes e no pós-venda da marca, que ainda é falho e vive cheio de reclamações. Mudando esse serviço oferecido pelas concessionárias é possível sim, conseguir uma boa posição no ranking de vendas e melhorar a confiança do consumidor.

Deixando de lado a parte comercial vamos ao que interessa. O Peugeot 408 não recebeu nenhuma mudança estética ou em seu interior significativa, a maior novidade fica por conta do novo câmbio automático de seis marchas, que substitui a antiga transmissão automática de quatro marchas. Além da versão Feline, que deixou de existir e a Allure automática passou a fazer o papel de modelo intermediário.

Por fora, as linhas fluidas revelam que a marca nunca deixou mancada no design de seus modelos. Sua carroceria tem desenho moderno, elegante e até esportivo dependendo do ângulo que se observa o sedan. Chama a atenção a linha de cintura alta que fazem conjunto com os arcos das rodas pronunciados que destacam as belas rodas de 17 polegadas e pneus de perfil baixo. Discreta, as lanternas traseiras quase passam despercebidas diante do espaço livre da tampa do porta-malas com a logo do Leão cromado.

Por dentro, quase nada foi renovado, o interior se mantém o mesmo de 2011, o mesmo do hatch 308. Muito bem acabado e com matérias de boa qualidade, a habitáculo é alvo de elogios diante da concorrência. A posição de dirigir é excelente, os comandos são fáceis de usar e a ergonomia interna é de primeira.

Seus principais rivais são Honda Civic, Toyota Corolla, Renault Fluence, Chevrolet Cruze, Volkswagen Jetta, Hyundai Elantra e o Citroën C4 Lounge, com quem compartilha plataforma e conjunto mecânico. Fabricado em El Palomar, na Argentina ele é oferecido em em três configurações, cujos preços começam em R$ 59.990.

Sob o capô está o mesmo propulsor do 308, um bloco de 2.0 litros de 16 válvulas, que rende até 151 cavalos de potência com etanol. O torque chega a 22 kgfm a 4 mil rotações. O motor é suficiente para empurrar os 1.527 kg do sedan Argentino sem pestanejar, as acelerações são fortes e deixam o motorista bem à vontade para abusar do acelerador sem moderação. A novidade está no novo câmbio automático de seis marchas produzido pela companhia japonesa Aisin, segundo a marca, foi feita uma calibração do bloco do motor e ela foi programada para atuar de acordo com o relevo, como descidas e subidas. De acordo com a marca, o novo câmbio baixou o tempo de aceleração de zero a 100 km/h em 1,4 segundo, cumprido agora em 9,4 s.

Durante o teste o modelo se comportou muito bem com o novo câmbio, as trocas foram suaves e sem trancos. As marchas entravam na hora certa e as reduções não transmitiam nenhum barulho para dentro do carro, muito comum em vários câmbios automáticos do mercado.

A marca afirma ainda que o consumo de combustível foi favorecido em cerca de 5%. A aceleração de 0 a 100 km/h e a retomada de 80 a 120 km/h foram reduzidas em 1,4 e 0,6 segundo, respectivamente. Usando o modo Sport do câmbio através de um botão ao lado da alavanca, deixa o carro mais esportivo, desta forma as retomadas e ultrapassagens podem ser feitas com mais autoridade.

A suspensão traseira com eixo rígido ganhou novas buchas e calço de molas mais macio. Enquanto que a dianteira passa a contar com uma nova interface das molas com a carroceria. O sedã agora é equipado também com pneus de baixo atrito para favorecer a economia de combustível. Esse conjunto proporciona um rodar macio e prazeroso e não transmite nenhum incomodo no interior, passando por buracos e lombadas sem incomodar quem está dentro dele. Usando gasolina durante todo o teste, o sedã registrou uma média de 7,2 km/l rodando em trajeto urbano.

O Peugeot 408 Allure 2.0 parte de R$ 65.990 e vem com os seguintes itens de série: ar-condicionado de duas zonas, airbags frontais, freios com ABS (anti-travamento), auxiliar (AFU) e repartidor (REF) de frenagem, computador de bordo, piloto-automático, rodas de liga leve de 16 polegadas, sensor de estacionamento traseiro, direção com assistência eletro-hidráulica, vidros, travas e retrovisores com acionamento elétrico, entre outros. Acrescenta ao pacote anterior, além da transmissão automática, rodas de liga leve de 17 polegadas. Ele tem três anos de garantia sem limite de quilometragem e revisões com preço fixo. Com o motor mais potente, o modelo pode chegar a custar R$ 80 mil.

CONTINUA NA PÁGINA 2

Deixe uma resposta