Avaliação – Toyota Etios XS 1.3 Flex 2013

Fotos: Marcus Lauria

O mercado de modelos compactos é dominado pela Volkswagen e pela Fiat há muitos anos, mas a concorrência anda cada vez mais acirrada nesse segmento com a presença de modelos novos e reestilizados. O maior exemplo da importância desse segmento no Brasil é a chegada do novo Toyota Etios, nas versões hatch e sedã.

Com esses novos modelos a marca japonesa entra de vez para o mercado dos compactos e se aproveita de sua ótima reputação entre os consumidores, com pontos positivos na qualidade dos carros e do serviço pós-venda, raro hoje em dia aqui no Brasil. A marca nos cedeu para teste o um modelo hatch 1.3, na versão XS, uma abaixo do topo de linha XLS.

Revelado em agosto do ano passado o Etios começou a ser vendido no dia 28 de setembro nas concessionárias da marca. A Toyota não poupou esforços em divulgar o Etios com propagandas chamativas e eventos pontuais, como “Etios Conection”. O modelo chega ao mesmo tempo em que a fábrica de Sorocaba (SP) é inaugurada, especialmente para montar o Etios. O nome do carro tem origem da palavra grega Ethos, que significa “Essência Original”.

Sobre o acabamento interno, o Etios decepciona, não espere a qualidade de um Corolla ou de uma Hilux. Como o carro tem “alma” indiana, os plásticos são duros, não agradam ao toque dos dedos e com qualquer pancadinha é possível sentir a fragilidade do material. Além de possuir poucos porta-objetos e um porta-luvas com formato estranho,  tem ‘buraco’ para o tubo da saída de ar tampa e que abre sobre os joelhos do passageiro. O painel de instrumentos é outro item que não agradou.

Nele estão as indicações de rotação, velocidade e hodômetro, localizado ao centro, posição que acaba desviando a atenção do motorista pelo tamanho minúsculo. O modelo tem materiais bem simples, com rebarbas, encaixes com vãos visíveis e muitos defeitos. Para chegar ao padrão Toyota, falta muito e o consumidor está atento a isso.

A posição de dirigir é regular, os bancos são confortáveis até um certo ponto, tanto para quem vai à frente, quanto para quem vai atrás. Espaço esse, elogiado por todos que tiveram a chance de andar nos bancos traseiros. O volante apesar de simples e ser feito em plástico duto, tem uma boa empunhadura o que deixa a direção bem divertida. O modelo peca pela falta de ajustes elétricos dos retrovisores, fazendo com que o motorista tenha que esticar o braço para regular o espelhinho e peça ajuda ao carona para ajustar o do lado direito. O porta-malas do Etios tem capacidade para 270 litros, na média da concorrência.

CONTINUA NA PÁGINA 2

Deixe uma resposta