Avaliação – Toyota RAV 4 2.0 16V (aut) 4×2 2013

Fotos: Marcus Lauria

A Toyota do Brasil apresentou em maio deste ano a renovada RAV4, o SUV que precisava a muito tempo de mudanças gerais, enfim, foi totalmente modificada e ganhou um novo design externo e interno, ficando mais moderna e com disposição para enfrentar a concorrência de igual para igual.

O SUV japonês foi revelado em primeira mão durante o Salão de Los Angeles, em novembro de 2012, e chega a nosso país importado do Japão. Tivemos a oportunidade de avaliar por 15 dias um exemplar do RAV4 na versão de entrada com motor 2.0 e tração nas duas rodas. O modelo está à venda desde junho nas concessionárias brasileiras.

Por fora, suas linhas são atraentes e chamam a atenção por onde passa. Com muitos vincos e linhas marcantes, a dianteira com linhas bem agressivas e robustas exibe faróis afilados, com formato irregular que se junta a grade cromada nas extremidades do símbolo da marca, que fica ao centro, envolvido por um pedaço do para-choque. Este em formado de arco, na cor preta, revela o par de faróis de milhas redondos nos cantos dos mesmos.

Visto de lado, as linhas são bem limpas e simples, com belas rodas de cinco raios e a linha de cintura alta. A lanterna traseira invade o para-lama e o rack do teto deixa o conjunto bem harmonioso. Na traseira destacam-se as enormes lanternas com formato irregular, que de tão grandes formam até uma mini “bandeja”, que até serviria para apoiar copos e outras coisas pequenas.

A versão avaliada vem bem equipada, mas fica devendo em alguns itens, como a falta de câmera de ré e bancos em couro. No caso do “nosso”, o pacote de itens de série é composto por direção com assistência elétrica, ar condicionado, retrovisores externos elétricos, airbag duplo, freios a disco com ABS (antitravamento), EBD (distribuição eletrônica da força de frenagem) e BAS (reforço emergencial de frenagem), computador de bordo com sete funções, sistema de som com conexões USB, auxiliar e Bluetooth (para celular), rodas de liga leve de 17 polegadas (com pneus 225/65), molduras e saias laterais de plástico preto, luzes de neblina, sensor traseiro de estacionamento e acabamento dos painéis internos e volante simulando couro. Com todos esses itens, o modelo custa R$ 96.900.

O RAV4 do teste é empurrado por um motor de 2.0 litros (1.987 cm³) movido a gasolina. Esse propulsor faz parte da nova família marca japonesa, ele tem um novo sistema Dual VVTI — de comando de válvulas com variação do tempo de abertura tanto na admissão, quanto no escape –, alterna o ciclo de mistura de ar e combustível de acordo com a velocidade e a aceleração para reduzir consumo e emissões, gera 145 cavalos de potência a 6.200 rpm, torque de 19,1 kgfm a 3.600 giros.

Em conjunto está o excelente câmbio CVT (relações variáveis “ao infinito”), que simula sete marchas sequenciais no modo manual. De acordo com a marca, todas as configurações do novo RAV4 receberam classificação A do Inmetro em consumo de combustível. Na configuração avaliada, o modelo fez 9,7 km/l de gasolina em ciclo urbano, passando a 10,5 km/l na estrada, de acordo com o computador de bordo.

Durante o teste, na maior parte em ambiente urbano, o RAV4 2.0 se mostrou bem adequado ao conjunto mecânico, proporcionando boas acelerações e retomadas, o motor rende bem, e faz com que o RAV4 tenha um desempenho regular. O câmbio CVT não dá trancos e tem ótimas retomadas. A suspensão é bem resolvida e não deixa o SUV escapar com facilidade nas curvas, além de absorver bem os buracos de nossas ruas e não transmitindo os solavancos para a cabine. O modelo também proporciona muito conforto, e espaço interno de sobra para todos os ocupantes.

Deixe uma resposta